quinta-feira, 31 de outubro de 2013

uma vez eu tive uma ilusão e não soube o que fazer com ela

Ela está trancada dentro de seu próprio coração, não há ninguém que consegue tirá-la de sua devoção.
A folha de papel ainda está em branco, esperando que dela venham todos os sentidos,
em todas as direções. Mas a vias são contrárias, os olhos estão umedecidos, os lábios cerrados e nada, nada mais se ouve, nesta sala ou noutra sala, qualquer lugar, a não ser seu pedido mais lento, sussurrado em silêncio, feito tenebroso desmaio.

Um comentário: