sábado, 9 de abril de 2011

Depois do Começo.

Eu tinha sentido, eu tinha captado essa palavra que tu não reinventavas, que estava ali, que se fazia presente no discurso dos olhos controlados.
Eu tinha percebido entre os odores do teu corpo maciço e as tuas mãos insistentes. Não obstante eu te disse não te reinventes à minha frente, mas quando durmo. Porque acordar de manhã e ter estes olhos já mudados é de certo a ti como a mim desolador, mas mil vezes mais aceitável que vê-los mudar diante das mãos, impalpáveis e certeiros.
Não importa o quanto tu experimentes, o quanto eu te queira mostrar, estamos já tão distantes nesse abraço caloroso que chegar mais perto é inevitável.
Veja que é abril, veja como eu enxergo, como deve ser visto. Olha com estes olhos meus. Lembra-me muito quando eram dela todas a minhas palavras de amor, de quando nossos corpos se amavam na urgência da vida, faz-me querer isto de novo sempre.
E é abril de novo, só por isso vou sorrindo meus dias inteiros...

4 comentários:

Ricardo Steil disse...

No meio de tantas palavras
No meio de todo este universo
Impresso,
Virtual
Você é a única ainda
Que consegue ser
Confissional e visceral
Sem fazer força alguma
E ainda por cima
Fecha cada texto
Com chave de ouro

É tem jeito não
Vou ter que continuar te lendo
E muito
Para quem sabe um dia
Aprender a ser
Escritor

Ricardo Steil

Edmar disse...

Outono e Abril chegaram, trazendo Michelle com novos textos e com novos ares...
Folhas caindo e a doce fragância do chocolate. ^^

Ricardo Steil disse...

Michelle sei que tá corrido, mas quando der, peço a honra que visitares meu blog http://ricardosteil.blogspot.com/ beijos

Gisélle disse...

Por que escreves sempre tãooooo bem!?