sábado, 24 de abril de 2010

verbos pequenos.


Quando minhas palavras te alcançarem, terás o mundo inteiro desabando à frente e qualquer motivo que tenha ficado para trás enquanto nos olhávamos será trazido à tona bem a tempo de você fechar os olhos e balançar a cabeça em negação. Enquanto você precisa ir longe para captar o óbvio das coisas, enquanto você vê mas não enxerga estremeço na curva do caminho esperando que o caos se livre logo de mim nas avenidas, para que minha imagem seja a foto desbotada sobre a mesa, pedindo para ser rasgada a qualquer custo. Quando eu tiver de deixar você ir enquanto já está indo, tudo não passará de um sonho, de um beijo dado no silêncio da noite. Por que não se pode falar de amor comigo, porque não permito que se fale de amor sem ter certeza que isso vai além do alcance das palavras...

Um comentário:

Gisélle disse...

Somente uma Claricenta pode exprimir tão bem os sentimentos...